10 estrangeiros desconhecidos que poderiam se dar bem no Brasil


O Brasil se rendeu à uma moda recente de contratação de estrelas estrangeiras. As mais recentes são Seedorf e Lodeiro, no Botafogo, e Forlán, no Internacional. Jogadores que podem elevar consideravelmente o interesse no futebol brasileiro.

Sabendo dessa nova tendência, enumerei alguns nomes que poderiam ser úteis (vejam bem, ÚTIL é diferente de DECISIVO) em nosso futebol, a preços acessíveis, mas não estão na alça de mira de nossos dirigentes. Por um motivo simples: eles não conseguem enxergar além dos estrangeiros que “jogam bem contra brasileiros na Libertadores”. Martinuccio, que deve ter feito quatro bons jogos na carreira, é exemplo disso. Seguiu quase um ano enganando no Fluminense, e agora engana no Cruzeiro.

Ignorem o fato dos jogadores não serem todos fluentes no português ou no espanhol ou terem problemas de adaptação. O objetivo do texto é justamente fugir do clichê de contratação esrangeira “estrela internacional em fim de carreira ou jogador que jogou bem contra brasileiros na Libertadores”. Também é importante frisar que passou da hora da CBF autorizar mais de três estrangeiros por time. Um número ideal, por ora, seria cinco.

Outra coisa: não é certeza que esses jogadores dariam certo por aqui. Podem muito bem dar errado. Mas é melhor apostar neles e fugir do óbvio do que prosseguir tentando aproveitar jogadores que até minha vó, no alto de seus 92 anos, sabe que escolheram a profissão errada, mas ficam enganado a vida inteira em times médios ou grandes do Brasil.

Esse é um texto de UTILIDADE PÚBLICA aos dirigentes brasileiros. Existem muitos outros jogadores além desses, mas esses seriam boas opções tendo em vista as necessidades de nosso mercado.

10 – Hao Junmin

Posição: meio-campista

Idade: 25 anos

País: China

Time: Shandong Luneng Taishan (China)

Recentemente, o Corinthians contratou o chinês Chen Zizao por “iniciativa de marketing”. Mas o marketing do time esqueceu de um detalhe: não adianta nada contratar o sujeito se ele não tem nível técnico para jogar. Se vai contratar o sujeito para servir de enfeite no time, poderiam ter chamado algum comerciante da 25 de março, sairia mais barato.

Ou, senão, poderiam contratar alguém com qualidade técnica para jogar, ao menos de vez em quando. Como Hao Junmin, meio-campista habilidoso (para os padrões chineses) que se destacou nas eliminatórias asiáticas para a Copa do Mundo, apesar da eliminação precoce da China. Abaixo, um gol dele contra a Jordânia:

Time sugerido: algum com o setor de criação fraco. No Palmeiras ele jogaria boa parte dos jogos.

9 – Peter Byers

Posição: Atacante

Idade: 27 anos

País: Antígua & Barbuda

Time: Antígua Barracuda (USL)

O mais desavisado deve estar pensando “ah, cara, você é louco, um cara de ANTÍGUA E BARBUDA?” Sim, por incrível que pareça. Peter Byers é um nome muito conhecido nas ligas inferiores americanas, inclusive tendo atuado entre 2008 e 2010 no Montreal Impact, que hoje joga a MLS (e na época jogava a USL). É um atacante rápido e forte, que falta à maioria dos times brasileiros. Vice-artilheiro das eliminatórias da Concacaf para a Copa de 2014, com 9 gols, e responsável direto pela campanha surpreendente dos barbudianos na competição.

Abaixo, um gol dele contra os EUA, na recente derrota de 3 a 1 de Antígua e Barbuda pelas eliminatórias:

Time sugerido: qualquer um que precise de um atacante e não tenha tanta pressão. Botafogo, por exemplo.

8 – Kennedy Mweene

Posição: goleiro

Idade: 27 anos

País: Zâmbia

Time: Free State Stars (África do Sul)

Mweene comemorando o título da CAN por Zâmbia

A imprensa brasileira, cada vez menos orgulhosa de nossos atacantes, colocou na cabeça do povo que o Brasil é um celeiro de bons goleiros. Daí, a maioria dos times preferem dar chances a goleiros medianos brasileiros do que escalar estrangeiros. Há alguma razão quando lembramos de atuações tenebrosas de goleiros como Henao, Abbondanzieri e Tadic no Brasil.

Mas isso não significa que não possamos dar chances a bons goleiros com salários aceitáveis. Um exemplo é Kenneth Mweene, que brilhou na CAN 2012 pela campeã Zâmbia e atua na África do Sul desde 2005. Lembrando que temos um exemplo de goleiro africano que se deu relativamente bem no futebol brasileiro: o camaronês William Andem, na década de 90.

Time sugerido: um que tenha problemas na meta. Grêmio, por exemplo, agora que o Victor foi vendido.

7 – Oscar Murillo

Posição: zagueiro

Idade: 24 anos

País: Colômbia

Clube: Deportivo Pereira (emprestado para o Atlético Nacional)

Oscar Murillo atuando pelo Atlético Nacional, na Libertadores (Fonte: Terra)

Existem alguns países sul-americanos que inexplicavelmente são esquecidos pelos dirigentes brasileiros na hora de buscarem suas contratações. O principal deles é a Colômbia. Apesar de alguns exemplos recentes de jogadores que atuaram por aqui, como o goleiro Viáfara, o Brasil deveria dar mais atenção ao país que revelou Rincón, Asprilla e Aristizábal, para ficarmos apenas nos que atuaram por aqui.

Uma boa contratação seria o zagueiro Oscar Murillo, do Atlético Nacional. Relativamente baixo para sua posição (1,83 m), Murillo compensa a pouca estatura com habilidade e visão de jogo incomuns para um zagueiro. Cairia rapidamente nas graças de técnicos que gostam de “zagueiros que sabem jogar”. E não é tão estúpido quanto seu compatriota Aquivaldo Mosquera, por exemplo.

Time sugerido: um que tenha problemas na saída de jogo. São Paulo é um exemplo.

6 – Mark Milligan

Posição: zagueiro/lateral direito

Idade: 26 anos

País: Austrália

Time: Melbourne Victory (Austrália)

Quando era capitão da seleção sub-23 da Austrália, jogava pela lateral direita. Depois que foi jogar no Japão, passou a atuar na zaga. E também já jogou de volante. Sempre com qualidade e seriedade. E tem duas Copas do Mundo no currículo (2006 e 2010)

É o tipo de jogador que treinador brasileiro adora: versátil, quebra o galho em quase todas as posições defensivas e ainda sobe na área bem pra cabecear, apesar da pouca estatura (1,80 m).

Time sugerido: um em que o treinador goste de marcadores versáteis. Ou que tenha carência na marcação. Atlético Goianiense e os dois de Pernambuco são opções razoáveis.

5 – Mudather El Tahir

Posição: atacante

Idade: 23 anos

País: Sudão

Clube: Al Hilal (Sudão)

Tahir é um atacante sudanês rápido e oportunista, destaque da surpreendente campanha do país na CAN 2012, eliminando Angola e Burkina Faso e só parando nas quartas-de-final para a campeã Zâmbia. Além disso, é um dos grandes nomes do Al-Hilal e responsável direto pelas boas campanhas do time na CAF Champions League nos últimos anos, com semifinais em 2009 e 2011.

Gol de Mudather na vitória contra Burkina Faso na CAN:

Time sugerido: poderia atuar no Figueirense ou Atlético Goianiense, por exemplo. Melhor que caras como William Batoré ele é.

4 – Gevorg Ghazaryan

Posição: meia-atacante

Idade: 24 anos

País: Armênia

Clube: Metalurh Donetsk (Ucrânia)

Ghazaryan foi destaque da seleção armênia nas eliminatórias para a Euro-2012

As pessoas devem considerar loucura. Um ARMÊNIO para jogar de meia-atacante no Brasil? Pode parecer insanidade, mas Ghazaryan é um jogador versátil, podendo atuar em várias posições no meio-campo ou no ataque. É o tipo de meio-campista voluntarioso, que arma bem as jogadas para os companheiros e ainda se dedica na marcação. Foi destaque da surpreendente campanha armênia para a Eurocopa, em que a equipe foi eliminada apenas na última rodada, para a Irlanda.

Time sugerido: aqueles que precisam de mais TEAMWORK, como o São Paulo e o Atlético-MG, por exemplo.

3 – Sebastián Eguren

Posição: meio-campista

Idade: 31 anos

País: Uruguai

Time: Sporting Gijón

Eguren é velho conhecido para quem acompanha futebol sul-americano ou espanhol, e figura carimbada na seleção do Uruguai. É o jogador mais velho da lista, mas ainda assim mostra-se capaz de atuar no futebol brasileiro em alto nível por mais três ou quatro anos. Ainda mais agora, em que jogadores uruguaios são a nova tendência do futebol brasileiro.

Time sugerido: qualquer um que precise de um volante. Pode ser o Flamengo.

2 – Yevhen Konoplyanka

Posição: meia-atacante

Idade: 22 anos

País: Ucrânia

Clube: Dnipro Dnipropetrovsk (Ucrânia)

Konoplyanka é companheiro de Giuliano no Dnipro Dnipropetrovsk

Esse é mais conhecido única e exclusivamente porque se destacou na última Eurocopa, pela seleção da Ucrânia, atraindo interesse de alguns clubes europeus. Mas por que ele não poderia atuar no Brasil? No Dnipro, ele atua como “extremo” ou como winger, dependendo da circunstância do jogo. Sempre pela esquerda. É ótimo jogador e poderia ser útil na maioria dos times da Série A, construindo uma carreira vitoriosa. Mas os clubes daqui preferem investir em estrelas em fim de carreira que só ficarão dois ou três anos aqui. E nem falo do Seedorf, mas de brasileiros que voltam da Europa ganhando fortunas.

Time sugerido: se encaixa na maioria dos times brasileiros, mas sugiro o Coritiba pela colônia ucraniana no Estado.

1 – Alexander Baumjohann

Posição: meio-campista

Idade: 25 anos

País: Alemanha

Clube: Schalke 04

Alexander Baumjohann realmente pode pintar por aqui em breve

O meio-campista alemão, além de ser um jogador moderno, que marca e ataca e tem papel relevante no meio-campo do Schalke 04, tem um diferencial: a exemplo de Clarence Seedorf, recém-contratado pelo Botafogo, tem uma esposa brasileira. Seria uma contratação útil para qualquer clube brasileiro, contribuindo inclusive para o aprendizado de vários meio-campistas daqui que ainda não conseguem ter a noção de posicionamento necessária.

Time sugerido: a esposa dele torce para o Atlético Mineiro e ele até já foi na sede do clube. Portanto…

E para você?

O que você achou dessa lista? Para você, quais estrangeiros desconhecidos poderiam aparecer no Brasil? Opine (e mande essa lista para o dirigentedo seu clube, se achar as sugestões boas).

Anúncios
Esse post foi publicado em Esportes, Pitacos e marcado . Guardar link permanente.

17 respostas para 10 estrangeiros desconhecidos que poderiam se dar bem no Brasil

  1. piui disse:

    Acho que se bem estudado e bem planejado, é uma ótima ideia… Não precisam ser estes, pode-se procurar, ou melhor ainda, produzir…

  2. Excelente post. Concordo com o aumento do limite para 5 estrangeiros; a maioria das equipes nem vai usar isso tudo, mas ter um espaço grande poderia estimular a possibilidade de investirem em estrangeiros. Não tenho conhecimento pra falar se as escolhas foram boas ou não, mas concordo plenamente que nestas duas situações:

    – Times médios, em todas as posições, sobretudo aquelas equipes que nao tem estrutura em categorias de base;

    – Times grandes, em posições que a equipe tem “testado” opções obvias e de sucesso duvidoso, como jogadores em fim de carreira ou jogadores encostados de times médios

    o Brasil deveria olhar mais o que há na América do Sul, África e países de menos expressão na Europa, nesta ordem. Sugiro esta ordem por possibilidade de sucesso na adaptação. Concordo plenamente que se é pra dar chance pra Ibson, William Batoré e já existem transferências dentro do país que passaram de 20 milhoes, pq nao apostar em algum estrangeiro?

  3. Pingback: 1 ano de blog. E os 14 textos mais lidos | Aleatório, Eventual & Livre

  4. caue disse:

    VOCE EXAGEROU E MUUUITOOOOOOOOO é completamente diferente vc joga contra os zagueiros mongo da serie B do EUA,. do que uma zaga brasileira. vc mitar contra uma seleção tipo burkina faso. é a msm coisa que enfrenta um clube da copa paulista no brasil

  5. Pingback: Porque vale a pena apostar em Paolo Guerrero | Vivendo de Corinthians

  6. Bruno disse:

    Pesquisei esses cidadãos no FM12, o unico “contratavel” a nivel nacional pelo FM12 é o goleiro zambiense. Os europeus tem um valor muito alto, principalmente o jogador do Sporting, na base de 14M em reais.

    • Léo Rossatto disse:

      Oscar tá sendo vendido pro Chelsea por 80 milhões, dois meses depois de ter sido “comprado” pelo Inter junto ao São Paulo por R$ 15 milhões.

      Por incrível que pareça, os valores não são tão absurdos atualmente. E FM não é exatamente a melhor referência quando falamos de preços, hahaha.

  7. Diego Farias disse:

    Sou a favor de aumentar a cota de estrangeiros por time no Brasil,isso sem duvida aumentaria a qualidade do campeonato.Também sou a favor de que os clubes brasileiros explorem melhor mercados menores.Mas será que vc não exagerou um pouco na sua lista ? rsrs Falo isso pq o atacante de Antigua e Barbuda nem chegou a ir pra MLS,o camarada da Australia não fez carreira no Japão,será que teriam lugar aqui ?

    Apesar de concordar com um maior numero de estrangeiros,sou a favor de dar prioridade aos jogadores brasileiros sempre.

    De qualquer forma um bom jogador que atua na MLS é o Brek Shea,meio-campista do Dallas e reserva na Seleção americana,teria vaga em alguns clubes daqui fácil.

  8. Olha só, vou pegar o prisma europeu e sugerir alguns bons nomes:

    Thomas Sorensen, goleiro, Stoke (36 anos) – Ainda é bem seguro e nunca mais vai ser titular do clube, já que o Begovic é uma lenda viva. Tem idade aceitável pra posição e não deve sair caro porque também já não é a primeira opção na seleção dinamarquesa.

    Jonathan Blondel, meia, Club Brugge (28 anos) – Um dos principais jogadores de meio campo no Brugge, está no clube desde 2003. Convenhamos que se ele chamasse a atenção de equipes maiores, já teria saído. Não deve custar mais que o Ibson, creio. Tem bom passe e visão de jogo, o que tem faltado por aqui.

    Andrés Vasquez, atacante, BK Hacken (24 anos) – Lembram aquele retardado peruano que surgiu na Suécia, contratado pelo IFK por fazer gracinhas com a bola em um vídeo no Youtube? Pois é, ele andou passeando pela Suíça e agora retornou à Escandinávia pra jogar pelo Hacken. É habilidoso e como é absolutamente desconhecido por aqui, poderia ser uma boa surpresa num time médio, sei lá.

    Dusan Svento, meia, Red Bull Salzburg (26 anos) – Canhoto, o eslovaco fez uma boa Copa de 2010 e uma excelente Liga Europa, na temporada passada. Fazendo mais o estilo de um cara que marca e sabe armar o ataque (saudades, Martinez, volta), também não deve sair tão caro pros cofres brasileiros.

    Gabriel Matei, zagueiro, Steaua Bucareste (22 anos) – Nanico, mas exímio no desarme, o romeno é o Cannavaro dos Cárpatos. Bom valor do Steaua pra Liga Romena, deveria ser fisgado por algum brasileiro antes que comece a despertar interesse de potências europeias. Até mesmo porque, desde os anos 2000 não surge nada de muito notável pelos lados de Bucareste…

  9. Léo Rossatto disse:

    E o Felipe Portês fez uma lista parecida no blog dele, mas justamente com as estrelas em fim de carreira. Praticamente complementar a essa daqui:

    http://revistatotalfootball.blogspot.com.br/2012/07/astros-internacionais-que-poderiam.html

  10. Bruno disse:

    Será que eu consigo montar um time legal no FM também?

  11. Ivan Araujo disse:

    Cinco estrangeiros é perfeito. É claro que nem todos os clubes estão usando os três permitidos,mas o aumento para cinco com certeza incentiva a busca em mercados diferentes. Infelizmente o nível do nosso futebol local é um pouco prejudicado pelo maior poder aquisitivo dos clubes europeus,e permitindo 5 gringos por time, certamente temos um bom espaço para o mercado nacional(afinal alem da maioria de um titular ser de jogadores,nem todos os clubes vão utilizar os 5) e aumentar nossa liga local.

  12. André Luiz Silva disse:

    Cinco estrangeiros eu acho exagero. Quatro seria o ideal.

Dê a sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s